Fato consumado no Paraguai

Artigo de Feichas Martins

 

O noticiário no Brasil afirma que Fernando Lugo foi vítima de um golpe de estado parlamentar, com máscara constitucional, no Paraguai, e que seu substituto, Federico Franco, carece de legitimidade, em razão de que não deve participar da próxima reunião do Mercosul, na Argentina, dia 29.

Com 76 votos a favor e um contra na Câmara dos Deputados e 39 votos a favor no Senado, dois contra e duas abstenções, Fernando Lugo teve seu impedimento declarado sob acusação de ter agido de forma condescendente contra agitadores socialistas infiltrados nas Forças Armadas e subversivos do Exército do Povo Paraguaio, organização responsável por seqüestros e assassinatos.

Dois fatores de análise na situação política atual do Paraguai devem ser considerados: A legitimidade e o consentimento popular e a governabilidade do novo governo.

Em primeiro lugar, a larga margem de votos para a destituição de Lugo e a ausência de uma efetiva resistência popular ao fato indicam que o presidente Federico Franco tem legitimidade e consentimento popular. Esses dois fatores somados podem garantir governabilidade, e é isto que Fernando Lugo, criando um governo paralelo, com apoio de outros governantes da América do Sul, como ocorreu em Honduras, pretende impedir.

Quanto à associação do impedimento de Lugo aos problemas com os “brasiguaios” produtores de milho e soja no Paraguai, que registraram invasões a suas propriedades durante o governo deposto e que agora manifestam seu apoio a Federico Franco, seria prematuro afirmar que participaram da conspiração. Vários desses brasileiros, empresários lá radicados e grandes proprietários de terras, já têm herdeiros naturalizados ou nascidos no Paraguai.

Com sua liderança sobre os demais países da América do Sul e seus empreendimentos conjuntos com o vizinho país, entre os quais a usina hidrelétrica de Itaipu, afora as razões geopolíticas, o Brasil deve agir dentro do tradicional pragmatismo diplomático, pois não lhe interessa criar um foco de problemas perturbadores às relações bilaterais.

Os Estados Unidos e a Alemanha apoiam o novo governo não apenas com base nos seus interesses políticos e econômicos, alguns contrários aos do Brasil, do MERCOSUL e da UNASUL, mas também na ideia de que a estabilidade democrática paraguaia foi assegurada com a destituição de Lugo. Estaria o Brasil disposto a dar murro em ponta de faca? A nova situação política no Paraguai parece-me de um fato consumado.

 

Feichas Martins, Secretário-Geral da Federação Nacional da Imprensa – FENAI-FAIBRA, é jornalista, cientista político, comunicólogo, consultor político, escritor, filósofo e professor universitário.

 

Blog do Feichas Martins

This entry was posted in Artigos, Uncategorized and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

Comments are closed.