Ou empresas da área de comunicação põem o dedo na ferida, ou encontro com Cardozo, da Justiça, é inútil: o governo federal continuará a financiar os linchadores da imprensa? Já temos um morto

Cardozo, da Justiça: ele já deveria ter pegado o paletó faz tempo. Mas está aí....

Cardozo, da Justiça: ele deveria ter pegado o paletó faz tempo. Mas está aí….

 

Por Reinaldo Azevedo – Revista Veja

O governo quer proteger jornalistas? Que tal parar de financiar com dinheiro de estatais os pistoleiros do subjornalismo que incitam o ódio contra a imprensa? Leio na Folha Online o que segue. Volto em seguida:

Cadozo imprensa

O estado brasileiro, em qualquer de suas esferas, não pode pôr um guarda-costas para cada jornalista que queira trabalhar, não é? A federalização dos crimes contra jornalistas pode ter eficácia num caso ou noutro em que a agressão à imprensa está associada a poderes locais — mas não é isso que tem impedido o livre exercício da imprensa hoje em dia.

Grupos contra a mídia
Desde que o PT chegou ao poder — e especialmente depois que Franklin Martins passou a ser o homem forte da área de comunicação do governo Lula —, a animosidade contra os jornalistas cresceu brutalmente. E não é só de black blocs, não! Vamos parar com essa mentira!

Jornalistas de grandes veículos não podem cobrir manifestações de sem-teto em São Paulo, por exemplo. A não ser escondidos. Atenção! Repórteres de TV com suas respectivas logomarcas foram hostilizados até na cobertura da vinda do papa ao Brasil.

Alguns dos grupos mais violentos que estão nas ruas se dizem partidários de “mídias alternativas” e coisas do gênero. Partem do princípio de que repórteres estão nas ruas para mentir. Quem deu início a essa caçada? Sim, senhores! Foi o governo federal petista, muito especialmente pelas mãos do sr. Franklin Martins.

O que temos?
Com dinheiro da administração direta e das estatais — Petrobras, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, em particular —, sites, blogs e revistas promovem uma verdadeira guerra santa contra a imprensa independente, que acusam de estar a serviço de tucanos, da direita, dos conservadores, sei lá do quê.

A grande imprensa sabe disso e, infelizmente, se cala; não denuncia essa canalhice com a clareza com que deveria fazê-lo. Duvido que os representantes das associações que se encontraram com Cardozo vão tocar no assunto.

Vou insistir na questão porque é verdadeira. Vou insistir na questão porque os jornalistas que me leem sabem que é assim. ELES TÊM DE SE ESCONDER NAS RUAS DOS BLACK BLOCS, DOS DITOS MOVIMENTOS SOCIAIS, DOS GRUPOS CHAMADOS DE MÍDIA ALTERNATIVA. A qualquer momento, redes organizadas de difamação na Internet podem dar início a correntes de opinião para tentar destruir pessoas.

É o governo federal e sua “política de mídia” — que é como os canalhas agressores chamam o jornalismo — que estão obrigando a imprensa a trabalhar sob censura.

Se Cardozo quer mesmo “colaborar”, que fale com sua chefe, Dilma Rousseff, para que tome uma de duas providências:
a: cortar o dinheiro público que alimenta os canalhas incitadores;
b: já que financiam a opinião e garantem o pão, que esses palhaços perigosos parem de incentivar o ódio ao jornalismo independente.

Sem isso, tudo vira conversa mole. Mais: é bom ter claro que o feitiço pode se virar contra o feiticeiro, não é mesmo? À medida que a imprensa se acovarda — e, com raras exceções, ela se acovardou —, os bandidos ganham espaço. Sem que o jornalismo possa fazer com liberdade o seu trabalho, os violentos ganham espaço. E a Copa do Mundo está aí.

Vai melhorar?
Os sinais são ruins. A até agora mal explicada queda de Helena Chagas da Secretaria de Comunicação vem na esteira de um gritaria danada dos blogs sujos financiados, que queriam mais dinheiro — se terão ou não, isso vamos ver. Franklin Martins, o pai da estratégia de demonização da imprensa, será o homem forte da área na campanha de reeleição de Dilma. Isso faz supor que recuperou, desde já, o seu poder de influenciar a rede de difamação que hoje atua a sérvio do governo federal e do PT.

E ainda tenho outras lembranças a fazer a Cardozo, aquele que agora se apresenta com a solucionática da problemática.

Por Reinaldo Azevedo – Fonte: Revista Veja


This entry was posted in Artigos, Liberdade de Imprensa, Opinião, Uncategorized and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Comments are closed.